Face a denúncia efectuada pelo Ferroviário de Maputo em relação a alegada “má qualificaç&atil "/> Face a denúncia efectuada pelo Ferroviário de Maputo em relação a alegada “má qualificaç&atil "/>
desporto mocambicano

Black Bulls diz que Kadre tem visto de trabalho válido até Julho de 2023

  • 258

Face a denúncia efectuada pelo Ferroviário de Maputo em relação a alegada “má qualificação na inscrição do jogador Abdou Kadre”, a Associação Black Bulls emitiu um comunicado nesta quinta-feira, 11 de Agosto, dando conta que o seu capitão tem visto de trabalho válido até 7 de Julho de 2023 e que a época do jogo com os “locomotivas” da capital do país também tinha a situação regularizada.

Por Redacção LanceMZ

Com efeito, os campeões nacionais referem que em face “a entrada, na Associação de Futebol de Cidade de Maputo, um protesto contra a Associação Black Bulls, por alegada utilização irregular do atleta e capitão Abdou Khadre, a 19 de Junho, contra o Ferroviário de Maputo, para a jornada 4 do Moçambola”, o clube tranquiliza “a todos e esclarece que que o atleta em questão vive e trabalha legalmente no País”.

Mas adiante no seu comunicado os “touros” asseguram que Kadre “tem a situação migratória e laboral regularizada desde 08 de Junho do ano em curso, data na qual obteve o Visto de Trabalho Temporário, por isso válido até 08 de Agosto”.

Os “touros” referem que “a 12 de Julho o referido Visto de Trabalho foi prorrogado por um período de um ano, ou seja, até 07 de Julho de 2023, mediante a apresentação de toda a documentação necessária para o efeito: contrato de trabalho e autorização de trabalho”.

Para além do senegalês Kadre, a Black Bulls tem ao seu serviços vários estrangeiros na sua equipa, tal é caso do treinador português Inácio Soares, e jogadores como Ahmed (nigeriano) ou Stephane (liberiano), entre outros, pelo que o clube aproveitou a ocasião para “reiterar, por fim, que todos os seus colaboradores de nacionalidade estrangeira vivem e trabalham legalmente no País, sempre a bem do futebol moçambicano”.

Refira-se que tanto a Associação de Futebol da Cidade de Maputo (a quem cabe fazer a inscrição de jogadores ao nível da cidade de Maputo), muito menos a Federação Moçambicana de Futebol (que homologa as inscrições e emite os cartões biométricos de acordo com as regras de licenciamento de clubes) ou a Liga Moçambicana de Futebol (a quem recai a responsabilidade de responder ao protesto em relação ao jogos do Moçambola) ainda não se pronunciaram sobre este caso que corre nas respectivas secretarias desde 22 de Junho, data em que o Ferroviário de Maputo enviou a carta denúncia para da alegada ilegalidade na inscrição e utilização de Kadre a 19 de Junho, no jogo da 4ª jornada do Moçambola 2022 que terminou empatado a duas bolas. (LANCEMZ)

Notícias Relacionadas
Ads - Anuncio 3
Todos os direitos reservados a Lance. Registrado no GABINFO: REGISTO: 57/GABINFO-DEPC/210/2022 .