desporto mocambicano

Chiquinho pula, pula que no CHAN o céu é o limite

  • 157

Chiquinho Conde continua a fazer história no futebol moçambicano. Depois de ter sido o único jogador a marcar presença e disputado três Campeonatos Africanos das Nações, concretamente em os CAN’s de 1986, 1996 e 1998), agora torna-se no primeiro treinador moçambicano a conduzir os Mambas a uma vitória em competições continentais ao nível dos seniores participação que foi coroada com a qualificação inédita aos quartos-de-final do CHAN. E o sonho de Conde não para por aqui, pois não esconde que “há ainda muito por se mostrar nesta presença na Argélia.

 

Por Alfredo Júnior e Shaun Roy/BackpagePix (Fotos)

 

O Conde do futebol moçambicanos divide os elogios deste feito com os seus jogadores a quem considera terem sido “fantásticos, são bravos e conseguiram superar todas adversidades, como o clima difícil, aliando ao facto de terem passado as festas de natal e final de ano longe das suas famílias, trabalharam arduamente para que chegassem a competição em condições”.

 

O treinador moçambicano mostrou-se orgulhoso com a prestação dos seus pupilos, sustentando que “fazer quatro ponto num CHAN é motivo de orgulho e satisfação”, referindo que “toda a minha gratidão vai para este excelente grupo de trabalho que foi extraordinário, pelo que está de parabéns todo povo moçambicano e nós estamos aqui a enaltecer o nome de Moçambique”.

 

Agora os Mambas pensam no próximo jogo de acesso às meias-finais que poderá ser diante do vencedor dos Grupo C, composto pelo Madagáscar, Gana e Sudão, sendo neste agrupamento o Marrocos acabou por desistir. Conde diz que os seus pupilos querem continuar a fazer história para o futebol moçambicano.

 

“Queremos continuar a fazer história, chegamos aqui e agora o céu terá que ser o nosso limite, quiçá nós consigamos transpor essa outra barreira e escrever com letras bem garrafais ainda os nossos nomes na história do futebol moçambicano”, desejou Conde.

 

FAZITO É UM MIÚDO EXTRAORDINÁRIO

 

O Seleccionador Nacional analisou a prestação dos Mambas no jogo frente a Argélia, em que Moçambique perdeu por uma bola a zero, com golo madrugador dos donos da casa que tinham perto de 40 mil almas a puxarem pela selecção anfitriã deste CHAN, tendo considerado que os seus pupilos estiveram bem durante o jogo.

 

“Perdemos o jogo na sequência de um erro nosso, vamos aprender com esses erros e melhorar. Tínhamos jogadores altos naquele lance, mas esses erros em alta competição pagam-se caro. Tentamos alterar algumas situações, visto que jogamos num 4x3x3, com Nené mais a 6 e o Shaquille mais a 8, para poder fazer melhor fazer as transições, conseguimos ter mais confiança e notou-se que a equipa está a evoluir. Tivemos que fazer duas alterações cedo, o jogo ditou isso, pelo que tivemos que fazer uma contenção para ver se voltávamos a jogar no sistema em que jogamos no jogo anterior, o 4x3x1x2 mas não conseguimos transformar essas jogadas em golo”, analisou Chiquinho Conde.

 

Na partida de sábado, Chiquinho Conde lançou para o jogo o jovem guarda-redes Fazito que fez a sua estreia absoluta na baliza dos Mambas, tendo o timoneiro elogiado a prestação dos jogadores do Ferroviário de Nampula.

 

“A posição de guarda-redes não é fácil, Fazito é um miúdo extraordinário, ele fez um campeonato Sub-20 na COSAFA tem sido esteio dessa selecção, há que realçar que temos quatro belíssimos guarda-redes e não tenho palavras para agradecer a disponibilidade deles, tem o mesmo sorriso jogando ou não jogando. Neste grupo irão jogar todos, o Macaime e o Yude ainda não jogaram, mas certamente terão a sua oportunidade”, disse Conde. (LANCEMZ)  

Notícias Relacionadas
Ads - Anuncio 3
Todos os direitos reservados a Lance. Registrado no GABINFO: REGISTO: 57/GABINFO-DEPC/210/2022 .